Quinta da Boeira

VINHO, ARTE, CULTURA

A Quinta da Boeira foi construída por um emigrante de nome Manuel da Rocha Romariz, regressado do Brasil no início do século XIX. Conhecedor do mercado brasileiro, registou-se como exportador de Vinho do Porto em 1850, utilizando dois nomes comerciais para os rótulos: ROMARIZ e BOEIRA.

Estas marcas rapidamente granjearam a consideração e a confiança dos consumidores e distribuidores devido à sua qualidade, expandindo-se para vários mercados, de entre os quais se destacava o português, o inglês, o francês e o brasileiro.

Em 1966, a propriedade foi adquirida por uma família inglesa, os armazéns por uma empresa têxtil e os vinhos foram vendidos a uma empresa exportadora de Vinho do Porto.

Em 1999 a propriedade é colocada à venda tendo como principal interessado um empreiteiro que pretendia construir habitações de luxo, em condomínio fechado.

O Padre João Freitas, diretor de um colégio de Vila Nova de Gaia, alertou para a situação da eminente possibilidade dos 3 hectares da propriedade poderem vir a ser transformados em construção massiva, com a consequente destruição do seu arvoredo centenário.

Preocupado e sensibilizado para a causa, o Padre João Freitas, integrando um grupo de dez amigos, resolveu adquirir a propriedade, protegendo, desta forma, as árvores centenárias e o palacete do início do século XIX.

Para a aquisição da propriedade foi efetuado um estudo financeiro com a divisão dos investimentos em cinco fases:

PRIMEIRA FASE

A transformação das cavalariças e estufas num salão polivalente com auditório e a recuperação de todos os caminhos dos jardins representaram a fase inicial do projeto que, desde o início, pretendeu transformar a Quinta da Boeira numa sala de visitas no Norte do País e, mais propriamente, em Vila Nova de Gaia.

SEGUNDA FASE

Deu-se início à recuperação do palacete que se encontrava em avançado estado de deterioração, transformando-o em escritórios e num restaurante de luxo com capacidade para cerca de 80 pessoas sentadas.

TERCEIRA FASE

Com o fim de atrair turistas para a cota alta da cidade de Vila Nova de Gaia foi construída a maior garrafa do mundo, com 32 metros de comprimento por 10 de diâmetro, permitindo, assim, criar uma sala de provas e sala de exposições para promover os vinhos, a cultura e a gastronomia portuguesas. Foi também possível adaptar a sala para a transmissão de filmes em 3D, dando a conhecer ao turista as diferentes regiões vitivinícolas de Portugal.

QUARTA FASE

Tendo como objetivo a consolidação financeira de todo o projeto a Quinta da Boeira registou-se no Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto (IVDP), voltando desta forma à génese da Quinta da Boeira de 1850, como exportadora de Vinhos do Porto, com a marca BOEIRA.

QUINTA FASE

O projeto, na sua quinta e última fase, concluiu-se com a construção de um hotel de 5 estrelas, com 119 quartos e 5 suites, cuja construção teve como base o sistema green. Foram implementadas as mais atuais técnicas ambientais, como o aproveitamento das águas freáticas para abastecimento dos tanques sanitários e regas automáticas dos cerca de 3 hectares da propriedade, tendo sido, tambémutilizada a energia fotovoltaica e solar, o que permitiu ter uma economia assinalável e uma redução drástica das emissões carbónicas, transformando-o num hotel ECO.

Atualmente o Boeira Garden Hotel integrou o Grupo Hilton Curio Collection by Hilton, uma linha diferenciadora que inclui hotéis com carácter e que não podem ser imitados.

O mais recente desafio foi a aquisição da casa de habitação da família C. da Silva projetada no século XIX, pelo arquiteto Teixeira Lopes. A Quinta da Boeira é uma referência nos vinhos de qualidade superior, nomeadamente no Vinho do Porto, devidamente certificados pelo Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto e orgulhosamente marcados com o selo de cavaleiro no gargalo, de acordo com as orientações que o Observatório do Vinho do Porto preconiza para a defesa da Denominação de Origem Porto.

Cada vinho Quinta da Boeira é uma experiência única, na qual o Vinho e a Arte se encontram intimamente ligados, tendo o seu expoente máximo nas garrafas únicas e que se distinguem pela sua forma e estética, como é exemplo a do Diamond ou do Very Old Tawny.

 

 

 

CRONOLOGIA

1850 - É a data da construção do palacete, que, até hoje, é a imagem icónica do local. O proprietário Manuel da Rocha Romariz regista-se como exportador de Vinho do Porto, das marcas Romariz e Boeira.

1966 - A Quinta é vendida em parcelas diferentes a vários proprietários.

1999 - Com o risco iminente da especulação imobiliária, o espaço é adquirido por um grupo de investidores com o objetivo de preservar o seu valioso património e de promover atividades culturais, abrindo a Quinta da Boeira à comunidade.

2014 - Concretiza-se um dos projetos mais originais e distintivos em honra da qualidade e diversidade dos vinhos portugueses com a construção da maior garrafa do mundo.

2017 - A Quinta da Boeira regista-se como empresa exportadora de vinho do Porto, no Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto.

2019 - Abertura do Boeira Garden Hotel, empreendimento de luxo com 119 quartos e 5 suites, tendo, como tema principal, a Arte e Cultura. Um Hotel de luxo com um ambiente requintado, confortável, sofisticado, intimista e tranquilo, ladeado pelos jardins da Quinta, conciliando e maximizando a cumplicidade entre o bulício citadino e a natureza bucólica e serena.

2019 - Boeira Garden Hotel passa a integrar o Grupo Hilton e integra a Curio Collection by Hilton, uma marca que inclui hotéis com caráter diferenciado que não pode ser imitado.

2020 - Aquisição da Casa de habitação da família C. da Silva projetada pelo Arquiteto Teixeira Lopes.